sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

"Desliga você!"

A paixão é um dos sentimentos mais bizarros do mundo. Principalmente quando morde dois adolescentes.

A rapazinho começa caminhando na rua, com alto índice hormonal de sanidade na cachola (que é raro e dura pouco tempo nessa idade), quando de repente, um vulto passa por ele, derrubando no chão o seu caderno, e escorregando dele a sua revista Playboy com aquela gata gostosa do mês com as tripas escancaradas na página do meio. Rapidamente ele recolhe o produto não adequado pra a sua idade e o caderno, enquanto escuta aquela voz doce de menina que começou a ovular há apenas três luas cheias atrás: “Ai, desculpa”. Ao olhar para o provável anjo dono daquele suave timbre, constata que se trata realmente de um ser divino. Então, seus olhos começam a brilhar e estrelas surgem por todos os lados. E se a gata ceder aos seus encantos, pronto, o moleque está feito, o clima rola solto... até que um dia ele beija a guria, e pouco tempo depois namoram.

E é tudo muito belo e mágico de se ver, até que...
...os dois infelizes decidem se comunicar pela porcaria do telefone.

(Alguma semelhança da conversa abaixo com a conversa de algum casal apaixonado pós-adolescente ou adulto é mera coincidência)

(...)
Então é isso, meu amor. Sábado, às sete da noite, em frente ao shopping, tá?
Tá bom meu lindooo. Te amo!
Também te amo demaaaais, hehe.
Ta rindo de que?
É que eu vi a hora aqui. Tenho que ir pro colégio agora.
Ah ta.
(...) {4 segundos depois...}
Ei, psiuu! Alguém mudo aí?
É, hehe, eu tenho que ir, ta?
Então desliga, oras.
Ah não. Você que tem que desligar primeiro.
Mas eu não tenho nenhum compromisso, lindinho. Hahaha.
Eu sei. Ahhh, mas vai... desliga você!
Ah não. Desliga você!
Nãooo. Desliga você!
Nananinanão. Você que tem que desligar.
Não, não!
Sim, sim. Desliga!
Ai, meu deeeeus!
Hahahahaha...
Que foi?
To rindo de você. Você é muito bobo.
Você que é boba. Não ta querendo desligar.
Você que ligou, você que desligue, oras.
Hmmm...
Quié?
Vamos fazer o seguinte. A gente conta até 3, e desligamos. OS DOIS JUNTOS!
Ahh, então ta bom, hehe.
Ta, então vamos!
Vamos!
Vamos lá, começando a contagem, juntos...
Ok.

UMMMM...
DOOOOIS...
TRÊÊÊÊÊS...
E...

JÁ!


(...) {5 segundos depois}

Alô?
Hahaha. Você não desligou?
Não, hahaha.
Por que?
Porque eu te amo!
Ohhh, ti fofu... pára com isso que eu fico toda vermelha.
Mas é verdade.
Também te amoooo. Mas você vai se atrasar.
Só depende de você.
De mim?
Sim ué, de você desligar ou não esse telefone.
Hahahaha, seu palhaço.
O sinal já deve ter tocado.
Então vai logo.
To esperando a patroa me liberar.
Ai, mas é tão duro ter que desligar.
Pois é, eu sei, hehehe

(...) {2 segundos depois}

Amoô?
Qui foiê?
Mas hein... hoje você não tem prova de português?
Não, é só amanhã.
Ah, menos mal...
Hoje tem prova de matemática.
Ai Jesus. E você fala assim, naturalmente?
Ué, tem jeito? Tem que encarar né...
Mas você não está encarando. Esse é o problema.
É por que eu to falando com a minha gatinha...
... que é bem mais importante pra mim do que qualquer prova.
Hmm, isso é prova de amor?... que lindo! Você é a pessoa mais importante pra mim nesse mundo.
Repete isso.
Hahahaha!
Repete, vai?
Você é a pessoa mais importante pra mim nesse mundo.
Ai, ai, ai, ai... to no paraíso.
Seu bobo.
Um bobo reprovado, hahaha!
Nãooo... pára com isso. Vai pro colégio que dá tempo!
Mas eu não quero te trocar por aquela professora chata pra cacete.
Mas você tem que ir.
Ta.
Vamos contar até três novamente... e desligamos juntos.
Hehehehe.
Mas agora é pra valer hein!
Pode deixar!
Vamos! UMMM...
UMMM...
DOOOIS...
DOOOIS...
Ah não. Conta junto comigo!
Ok, ok.
Vai...
TRÊÊS...
TRÊS E MEEEIO...
TRÊS-VÍRGULA-SETENTA E CIIIINCO...
NãooooÔ!
Hahaha.. já to entrando no clima da matemática ué.
TRÊS-VÍRGULA-OOOITO...
Ai, ai... ta bom... TRÊS-VÍRGULA-NOOOVE...
E...
E...
Juntos!
E...

Já!

(...) {5 segundos depois}

Eu não estou acreditando... hahahahaha!
Ai, Deus. Não temos jeito. Nem eu to acreditando nisso... hahahaha
Te amooo!
Ta, eu tambééém! Mas vai, desliga!
Não, desliga você!
NãooÔ. Desliga vocêêêê!
No, sweet! Você!
Vo-cê. Desliga vo-cê!
Lá lá lá lá lá... Só se você desligar primeiro!
Que porra é essa!? {som de voz se aproximando do lado do garoto}
Pai!?
Amor!?
Desliga logo essa merda, caralho! Vai estudar, vagabundo! Que inferno!
{o pai então mete a mão no gancho do telefone, num ato para tentar preservar o pouco de sanidade mental que o jovem ainda apresenta. E também para evitar que metade do seu salário seja usado para pagar a conta}

Tu, tu, tu, tu, tu...

Ufa!
Desligo eu agora.

Um comentário:

Anônimo disse...

caraca cara!!
vc ñ regula!!

Tipo assim msmo!!
Deliga vc!!meia hr dpois vc ta na vontade d mandar o individuo pra pqp!!

Paixão é uma flor roxa q nasce no caração do troxa!!

Ahhhh!!