quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Tipinhos do colégio

Ah, o colégio...
Período em que nós nos descobrimos como gente, em que grande parte da nossa personalidade se estabelece. Rolam várias aventuras, descobertas e frustrações. Período também onde a convivência humana é mais forte. Muita gente diferente, muita gente parecida, interesses em comum, divergências, namoros, bebidas, intrigas, amassos, sexo, chantagem, riquinhos, briga de mulé que sempre termina no chão, afogamento na piscina, máfia, estelionato, psicopatia, tiro, morte, maconha, emos, explosivos e etc... enfim, tudo maravilhoso e exagerado (nem tudo) ao extremo por mim.

Bom, o propósito deste post é (tentar) dissecar os diversos tipos básicos existentes dentro de uma sala de aula do colégio. Mais precisamente, de uma turma de Ensino Médio, onde as pessoas se tornam... pessoas de fato!

Se você não se enquadra em nenhum dos casos abaixo, sorry, você não faz (ou não fez) um tipo relevante no meio acadêmico. Ou então fique feliz, afinal isso mostra que você é original.

O descolado

O descolado (acha que) é o rei do pedaço. Anda sempre com aquela ginga “malandro de academia” e com aquele olhar de “To prontinho pruma briga e/ou prum sexo”. A valorização pessoal de um descolado está 99% em seu órgão genital e músculos, e apenas 1% no seu cérebro, que o permite pelo menos falar: “Já é ou já era, gatinha?” e ter uma ereção satisfatória. É o maior pegador (odeio usar esse verbo pra isso, mas tudo bem) de mulé do colégio e vive a perseguir o nerd e capturar gostosas. Adora seguir a moda mais imbecil do momento, e sonha em ser um policial do BOPE não para combater o crime, mas para pegar mais mulé, e assim alimentar seu vício por futilidade em prol de uma idiota popularidade. Há uma leve tendência deste grupo em permanecer durante muitos anos numa mesma série.

O nerd

O nerd é o oposto total do descolado. Vive no seu mundinho quadradamente matricial, achando que entender de funções logarítmicas e números complexos o faz melhor que os outros. Possui cara de pateta, anda como lesma e idolatra tipos diferentes, como Sylvia Saint e Albert Einstein. Valoriza mais o seu computador do que a própria mãe. Aliás, o nome “placa-mãe” dado à placa principal do computador por (provavelmente) um nerd explica bem essa situação. Coleciona sempre algum tipo de besteira, trata a escola como uma competição, gosta de falar difícil e permanece virgem durante muito tempo. Vive sempre um amor platônico por alguma gostosa. É o mais inteligente e mais bem visto pelo corpo discente. Tende a ter depressão, asma e transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Descolado x Nerd

Odeiam-se na maior parte do ano. Só tornam-se cúmplices no período de recuperação e provas finais, onde o nerd tenta colocar algo na cabeça do descolado em troca de um workshop sobre como pegar mulé. Essa parceria funciona às vezes, e muitos depois disso ficam amigos.

A gostosa

Esse grupo é tão gostoso que eu vou subdividi-lo em três: a gostosa certinha, a gostosa safada e a gostosa intermediária. Esses três subgrupos se odeiam mortalmente. Explicação: porque são todas gostosas.

A gostosa certinha

É quase uma nerd, só que com algum atrativo. No início do ano, é o alvo favorito do descolado, numa forma de “Eu preciso fazer essa gostosinha recatada se tornar mulher lá na minha cama”. Em vão. A gostosa certinha tem aversão ao descolado e tende a grudar em um nerd. Esse sim possui a real possibilidade de namorá-la (e não pegá-la) ao longo do ano. Mas como são idiotas, raramente o fazem. Mas também quando fazem, são elevados ao patamar mais alto da popularidade e deixam os estigmas do passado de lado. Mas como disse, isso é raro. A gostosa certinha ganha mais notoriedade nas aulas de educação física na piscina, onde finalmente exibe seu corpo delicioso para delírio de todos e raiva das outras... “Ai, que inveja! E ainda por cima é mais inteligente que eu”.

A gostosa safada

É o tão famoso sabonete de vestiário masculino. Todo mundo passa a mão, todo mundo come (menos o nerd). Gosta de customizar os uniformes, deixando as pernas de fora e aquele decote generoso. E nem por isso são barradas pelos inspetores na entrada, já que estes, como são uns panacas que não podem ver mulé exuberante (já que a sua não deve ser boa coisa), ocupam-se, com um olhar de cão vira-lata leproso e manco a meio metro de 100kg de picanha, mirando os seios fartos da safadinha, enquanto ela vai entrando com um ar de “dou muito mesmo, não tem pra ninguém”. Usa da sua gostosura pra cima de professores ingênuos, a fim de elevar aquela nota 5 para um 8.5. Não possui amigas. Possui súditas, que vivem perseguindo-a, funcionando como mera extensão do rabo, já tão grande, da estereotipada aprendiz de vagaba.

A gostosa intermediária

É uma figura normal, oras. Afinal, o mesmo valor dado para o seu cérebro, ela dá para o seu clitóris. Ficam perto de nerds quando querem aprender, e perto de descolados quando querem meter. Costumam ter mais fama de piranha do que a própria gostosa safada, pois a pessoa “em cima do muro” é sempre mais alvo de boatos do que a “sou mesmo” escancarada. A gostosa intermediária é aquela que, de manhã, se concentra numa interessantíssima aula sobre fisiologia das gimnospermas, e de noite, rebola que nem cachorra até o chão, ao som de "Gaiola das Popozudas".

Gostosa safada x Nerd

A gostosa safada mostra a metade do seu seio direito para o nerd, em troca daquela explicação sobre oxirredução na véspera da prova de química. Há relatos de nerds que perdem a virgindade com gostosas safadas. Mas elas geralmente não precisam ir tão longe para arrancarem qualquer coisa deles.

Gostosa safada x Descolado

Responsáveis por 90% da atividade sexual dentro do colégio. Os 10% restantes ficam por conta dos professores, dentro da sala de professores, enquanto o diretor dá aquela bronca em alguma sala de aula porque explodiram a privada do banheiro com malvina.

O mais velho

É aquele que, por algum motivo obscuro, abandou os estudos e decidiu retomá-lo cinco anos depois, ou mais. É o mais maduro, e é o conselheiro da galera. Muitas vezes é visto como um chato, e muitas vezes é mesmo um chato. Costuma ter aquele discurso “o certo é o certo, o errado é o errado” de adultinho padrão, causando sono até mesmo no professor de filosofia. São noivos ou casados, e se orgulham dessa situação, causando nojo no resto da galera promíscua.

O turista

É aquele com o maior número de F na lista de presença. Costuma ser uma lenda. Quando aparece no colégio, geralmente chove. O mais incrível é que ninguém sabe o nome dele, mas ele sabe o nome de todo mundo da sala. É salvo pelo nerd na semana de prova e influencia o descolado em sua jornada mundo afora, sabe-se lá fazendo que coisa... talvez desvirginando menininhas bigodudas hiper religiosas no sertão nordestino.

O palhaço

Sabe quando a turma está caladinha, copiando do quadro, e de repente um indivíduo qualquer solta alguma piadinha, fazendo todos e até mesmo o professor caírem na gargalhada? Pois é, esse o palhaço da turma. É um cara feliz e bem aceito por todos os outros grupos. Fazem piadas sobre tudo e sobre todos, despertando aquela lágrima de riso por coisa idiota até mesmo no cara mais velho. Tamanha é a simpatia e poder de cativa da pessoa que, se você é gordo e ele fizer uma piada de gordo, você vai rir. Se você for feio e ele fizer uma piada com a sua feiúra, você não vai agüentar, e vai rir escancaradamente. “Você é tão feio que seu pai largou sua mãe pensando ter sido chifrado com o diabo”. “Hahahahaha, eu sou feio bacarai mesmo, véio. Hahahahaha”. Não sei se isso foi engraçado, só quis explicar como funciona o poder Bozo do sujeito palhaço. Eles são responsáveis por mais de 50% das situações cômicas na sala. O restante fica por conta de professores bisonhos.

O socialista

É o porta-voz do povo adolescente, bom aluno, e geralmente é presidente do grêmio estudantil e/ou representante de turma. Acha que todos são perseguidos pelo sistema que rege o colégio. Luta pelo direito, faz passeata, pinta a cara, faz discurso, faz teatro com teor manifestante, bate na porta da diretoria, atira ovos e promove a discórdia. Delicia-se nas discussões das aulas de história e geografia, superando até mesmo o nerd no quesito “babar ovo do professor”. Possui relação de amor e ódio com o corpo discente. É louvado por ser um líder natural e digno de destruição por querer a queda da Bastilha todo santo dia. Geralmente é fã de Osama Bin Laden e odeia Bush e seus EUA. Atualmente está entristecido pela renuncia de Fidel ao cargo de presidente de Cuba.

O esquisito

Pode ser até o próprio nerd em alguns casos. Mas acho que merece uma outra classificação. O esquisito é uma criatura tão estranha que poucos chegam perto. Nem mesmo os professores, mas que mesmo assim defendem o estilo da pessoinha, alegando direitos iguais. Góticos e emos também fazem parte desse grupo. O esquisito possui olheiras e um olhar frio e fixo em uma só direção. Gira a cabeça vagarosa e assustadoramente para olhar para o lado, e alguns até conseguem girá-la em 360 graus que nem a garotinha diabólica de "O Exorcista". Não precisa de fantasia na festa de Halloween da classe. Quando abre a boca para discutir sobre alguma matéria de alguma disciplina, sempre sai algo de caráter mórbido, e o pessoal nem sempre debocha, acha estranho mesmo, e todos fazem um sinal da cruz. O esquisito tende a exibir cortes profundos nos pulsos, e se ele de repente desaparecer, não foi porque virou turista, mas infelizmente foi porque o tal amiguinho se suicidou no banheiro de sua casa, com a lâmina de barbear, porque sua namoradinha igualmente esquisitíssima o abandonou.


Pois é, minha gente!
Ai, ai... saudade do colégio.

2 comentários:

Mauro de Bias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mauro de Bias disse...

Hauhauhauha, muito bom! Agora só falta fazer a enquete pra ver quem é quem.

Socialista presente o/

Hahahaha.