domingo, 25 de maio de 2008

Dessentimentalizando

Eita! Vários dias sem postar!

Andei meio desanimado em escrever algo, e também estive sem idéias e confesso que ainda estou. Quer dizer... tenho algo em mente para postar há várias semanas, mas preciso de uma certa ajuda de uma certa garota, que inclusive já aceitou (animadíssima, diga-se de passagem) o convite para fazer as fotos necessárias (vai ficar na curiosidade). Só que nossos horários não são nada compatíveis. Mas enfim, um dia esse texto que estou mencionando vai sair.

Por falar em garota, acho que estou ficando com o coração de pedra. Isso mesmo.

Vou explicar. Até quase os 19 anos eu era um ser apaixonado e me derretia facilmente com um sorriso e um cafuné de qualquer bonitinha que fosse, e logo ficava cheio de sentimentos por ela. Eu era um verdadeiro 'bobão' imaturo que não sabia lidar com meus desejos e acabava sempre confundindo as coisas, estragando tudo, pagando de otário, e saindo na pior. É tão engraçado lembrar, que eu acho que vale a pena.

Me lembro da 'X', na sexta série, para a qual me declarei num Jogo da Verdade que minha turma participava no recreio.

"Eu não gosto da 'X', eu AMO a 'X'". Foi o que eu disse em alto e bom som para todos do jogo e principalmente para ela. Poderia ter dado certo se eu não fosse tão tímido a ponto de nunca mais ter tocado no assunto com a bendita menina.

Dois anos depois, na oitava série, a história se repetiu de maneira incrivelmente idêntica. Com a diferença de que dessa vez a coisa foi mais intensa. A 'Y' eu considero minha verdadeira paixão. Essa da sexta série era mais fogo nos testículos recém expelidores de testosterona mesmo. Pela 'Y' eu lembro que foi amor à primeira vista. O olho bateu, o corpo parou, a perna tremeu, o coração palpitou, e o Renan rimou. Essa paixão toda anexou até uma música como tema, que estava nas paradas na época: "Amor I Love You", cantada por Marisa Monte.

"Deixa eu dizer que te amo. Deixa eu gostar de você. Isso me acalma. Me acolhe a alma. Isso me ajuda a viver",

Hahaha... muito gostoso lembrar. Essa música me remete à 'Y' imediatamente. Incrível!

Mas voltando, apesar dessa intensidade toda, a história se repetiu. Praticamente era a mesma turma reunida jogando o bom e velho Jogo da Verdade, quando me perguntam mais ou menos a mesma coisa. "Eu sou apaixonado pela 'Y'". Foi mais ou menos o que respondi, mais uma vez em algo e bom som, assanhando toda a turma, que deve ter considerado aquele o momento mais quente do jogo. E o que aconteceu depois? Nada oras. Não toquei mais no assunto, não a chamei pra conversar. Nada. Não fiz absolutamente nada. E continuei desejando-a, só que dessa vez não mais em segredo. Era melhor nem ter me declarado já que eu não ia tentar investir depois né.

Viu só como eu mudei em dois anos? Só rindo mesmo da minha cara né... mas relevem, eu era uma criança. E além do mais, foi a partir da 'Y' que eu defini o estilo de mulher que eu gosto. Hoje em dia a 'X' não faz mais o meu tipo. Nem a acho bonita. Mas a 'Y' continua linda aos meus olhos.

Enfim, continuando a escadinha do "quanto mais adolescente se fica, mais intensos são os amores", eis que conheço a 'Z'. Não foi bem amor à primeira vista, mas foi um segundo olhar. A 'Z' foi a mulher da minha adolescência. Mas só não foi um fracasso total porque rolaram uns três beijos de alguns minutos cada num certo escurinho. Essa aí me deu trabalho. Carregou meu pobre coração por uns quatro anos (juro!). Ou seja, os três beijinhos não pagaram o preço que foi estar apaixonado por ela.

Mas acho que a culpa foi minha. Eu nunca cheguei diretamente pra ela e disse realmente o que eu sentia. Só mandava indiretas e mais indiretas. E nunca aproveitava as boas oportunidades. Enfim, como último suspiro do meu desejo por ela, escrevi uma carta de amor (por e-mail). Isso pra mim foi uma atitude épica. Eu esperava que depois de lê-la ela viria ao meu encontro, e falasse que sempre sentiu o mesmo por mim. Tolice. Essas coisas não se dizem por carta, são ditas através de palavras e atitudes. Coisas que me foram ausentes nesses quatro anos.

Apesar deu estar parecendo melancólico escrevendo tudo isso, que nada. Como já disse, acho muito engraçado. E foi bom ter passado por todas as essas situações (e outras ainda). Considero hoje a carta que mandei pra 'Z' uma idiotice tremenda. Sério, hahaha, foi muita burrice e muito nada a ver. E aí eu chego onde quero. Mudei.

Não só mudei, mas as coisas também mudaram pra mim.
O que antes era um Renan platonica e enrustidamente apaixonado por garotas que o desprezavam, hoje é um Renan bem mais racional que trata com um certo ar de superioridade as que eventualmente se interessam.

Nos últimos dois anos tenho ouvido coisas que toda pessoa gosta de ouvir: "Estar com você é muito bom". "Sou apaixonada por você". "Quando você vai embora, leva junto toda a graça do local". "Não vá, fique mais". É curioso. Se há uns três anos atrás eu daria um rim pra ouvir tudo isso de alguma bela moça, hoje eu lido com isso de maneira bem cuca fresca, até com um pouco de frieza e indiferença.

Vou explicar. O fato é que atingi um nível de racionalidade nunca alcançado antes. Vivo agora um período em que sou bem exigente e não me derreto mais tanto com um carinho ou um olhar de segundas intenções direcionados para mim.

Pra vocês terem uma noção, uma frase do tipo "Adoro seu cheiro", acompanhada de um xero baiano no cangote, não surte mais tanto efeito em mim se a garota em questão não me desperta grandes empolgações. Antes era só alguma moça piscar pra mim, pra eu ficar todo afim. Hoje em dia, se alguma pisca, eu fico envaidecido, claro, mas não dou mais uma de Zé Mané, conseguindo sempre estragar tudo e sair por baixo nessas situações. Aprendi a encarar de igual pra igual e, às vezes, ser superior.

Sei que estou longe de ser super atraente, bonitão e gostosão. Mas o fato é que justamente o momento em que começo a despertar mais a cobiça feminina, bate com o momento em que estou mais exigente e racional, perdendo toda aquela sentimentalidade ingênua.

Idealizo um tipo de mulher. Ela não é perfeita no contexto geral. Mas eu a vejo perfeita para mim. Perfeita até nos defeitos que eu gostaria que ela tivesse. Dizem que isso é um erro. Que a gente deve se entregar a quem nos ama e parar de escolher muito. Mas acho que aos 21 anos, eu ainda posso me dar ao luxo de buscar aquilo que senti por 'Y' e por 'Z' em alguma que esteja em harmonia com as minhas exigências. Não quero conveniência, quero me apaixonar novamente. O problema é que eu estabeleci uma faixa muito estreita na "reta dos tipos de mulheres" para que isso aconteça. Me preocupo um pouco com isso, mas não quero me desfazer dessa seletividade. Amo o momento que estou vivendo, e os conceitos que construí.

Àquela que não de adequa ao 'Padrão Renan', ofereço apenas a minha amizade. No momento não consigo me apaixonar se ela estiver fora disso, mesmo que me dê moral, faça tudo por mim, me trate como rei. Não dá. E não quero parecer convencido. Não me considero lá grande coisa, mas acho que tenho esse direito de escolha.
Àquela que se adequa, que eu tenha o prazer de conhecer um dia, pois mergulharei novamente na paixão, e lhe darei todo o meu amor, mas sem cartinhas bobas e sem essa de manteiga derretida. Algo mais maduro.

E quer saber, já conheço algumas que se adequam perfeitamente. Falta APENAS meu charme funcionar (uau, haha) e rolar interesse por parte de uma delas.

Ao escrever a frase acima, percebo que tudo se resume num velho problema que atormenta (ou já atormentou) a todos: Gostar de quem não gosta da gente. Mas não quero abrir mão e me entregar ao que se torna mais conveniente primeiro. Um dia eu acerto na loteria.

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Queria postar algo, mas não consegui pensar em nada.
Tentarei amanhã, sorry!

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Seja um orkuteiro escroto

Acho que a maioria das pessoas quando escutam a expressão "Inclusão digital" pensam que se trata de algo muito bom . Pois eu nem tanto. A inclusão digital pode ser até legal e blá blá blá, mas também possui um lado bastante irritante ao permitir que pessoas mal-educadas em questões cibernéticas utilizem a internet de maneira tão deprimente.

Considero como maior exemplo brasileiro dessa deploração, o orkut.

É tanta coisa bizarra que a gente vê ao navegar pelos perfis alheios que você geralmente apresenta duas reações quando se depara com uma escrotice: dá uma boa risada daquilo e agradece à Deus por não ser aquele jumento dono do perfil, ou fica com raiva pelo fato dessa tal Inclusão Digital permitir essa palhaçada toda.

Ok, acho que aberrações de pessoas com até 14 anos de idade são perdoáveis, afinal sabe como é né... criança, imaturidade, adolescente no início da puberdade... essas criaturinhas gostam mesmo de fazer um estilo, e eu já passei por isso. O que não dá pra entender é uma mulher de 20 e tantos anos ficar escrevendo 100% safadinha no lugar de um about me mais construtivo.

Enfim, já que eu não vou conseguir mudar o mundo virtual mesmo, então o melhor é conviver com essas coisinhas e tirar um sarro da cara desses seres lastimáveis. Se você é um ser recém-chegado ao mundo virtual através do seu primeiro computador que papai lhe comprou, gasta todo o dinheiro da sua mãe em Lan Houses jogando CS e escrevendo merda no orkut, ou ainda é adepto à depreciação do orkut, bem vindo ao manual "Seja um orkuteiro escroto".
  • Passo 1: o nome

Nada de 'Rafael Bastos' e 'Carolina Medeiros', você tem que colocar como título do seu perfil algo do tipo: "Jujuzinha do RJ, falar di mim é fáciu, dificio eh ser eu", (realmente muito díficil) ou então: "Gleidson um cara muito pika mané". Bem melhor né? Muito mais estiloso, original e maneiríssimo. Use também caracteres especiais: tralha, esteríscos, letras gregas. Use números também, use tudo, só não escreva seu nome pois ficaria muito sem graça assim. Você quer usar o orkut para causar impacto e inveja nos outros por ter um página tão show né? Pois acredite: Você causará impacto.

  • Passo 2: a foto do perfil
Dizem por aí que "uma imagem vale mais do que mil palavras". Ora, então aproveite esse fato maravilhoso e coloque uma foto onde você esteja levantando sua camisa de 100% prostituto até a altura do peito, mostrando sua barriga asquerosa e dando a língua. Para as meninas, nada melhor do que uma foto tirada do alto para baixo, no melhor estilo emo, com uma maquiagem toda colorida de puta que só a deixa mais feia ainda e com cara de pobre, e mostrando aquele decote hiper exagerado que só atrai aqueles idiotas que se deixam levar por uma parte do seu corpo que supostamente seja boa, sem avaliar o restante do conteúdo estragado.
  • Passo 3: a descrição

Nesse espaço uma pessoa normal geralmente escreve algumas palavras que descrevem a si mesmo, ou uma letra de uma música que diz muita coisa sobre ela, talvez um poema, coisa e tal. Mas você não. A parada é escrever que você pega mulé bacarai... fala sobre o bonde dos tchuchuquinhos braços de ferro do qual você faz parte. Isso mesmo. Escreve aí que você é osso duro de doer, que não dá mole pra ninguém, e que é o maior pika da comunidade... e pra completar, invoque seu bando com o trecho é nós na fita mané. Vale também formar um desenho de um cigarro de maconha feito com caracteres, ou escrever a letra do Créu.

  • Passo 4: o álbum

Ah rapaz. Nesse item você tem que caprichar. Coloca logo uma foto sua com o seu bonde. Vale também postar algumas segurando grana, revólveres e tudo mais que você considera estiloso. Não esqueça de usar em todas elas a camisa com a inscrição: mulek piranha mesmo. Tire várias fotos sozinho e faça o 'V' de vitória com os dedos da mão em muitas delas. Também pode imitar o gesto do homem-aranha quando ele joga a teia. Esteja fumando e bebendo nas fotos. Para você, menina, também valem os mesmo gestos, o cigarro e a bebida, mas não se esqueça de usar aquele abadá customizado e colorido safado que você usou naquela micareta onde você beijou 53 caras. E não se esqueçam da pose mais importante: aquela na frente do espelho, segurando a câmera digital, e com um flash em algum ponto do vidro. Ai ai...tão manjada essa.

  • Passo 5: os amigos

Nenhuma pessoa séria e nenhum perfil normal pode figurar como um de seus amigos. Você só deve adicionar loiras gostosas com fotos de bunda, acreditar que são elas mesmas as donas dos perfis, e achar que está tirando mó onda com isso. Adicione outros fakes também com avatares de desenhos eróticos japonenses. Aliás, faça um fake bem putão para ver se você consegue arrumar mulé. As meninas só devem adicionar outras meninas tão fúteis quanto elas próprias e uns caras musculosos, que é para o povo entender que você é cachorra mesmo e ninguém vai te segurar.

  • Passo 6: as comunidades

Entre em 708 comunidades, desde aquelas mais fúteis e lotadas, até aquelas mais eróticas, que explicitam bem o que você gosta de fazer na cama, coisa que deveria ser da sua intimidade. Nada de entrar em comunidades sobre cultura, artes, essas coisas. Música só se for funk. Entre em todas as comunidades daquela Mulher Melancia, ô mulézinha escrota, meu Deus. Ah, multiplique o lixo também. Crie mais 48 comunidades desnecessárias e espalhe o mal entre seus amigos. Por fim, crie uma outra comunidade enaltecendo a sua pessoa, e assim, obrigue seus amigos e familiares a participarem dessa porcaria só para te agradar.

Queima, Senhor!