sábado, 21 de junho de 2008

Fator Qualidade Mulher

Mulheres, por favor, não leiam esse post. É sério!

Acredito que sejam três as características que uma pessoa mais aprecia em outra: beleza, inteligência e agradabilidade, não necessariamente nessa ordem. Claro que dentro dessas três, estão subdivididas várias outras. Vou então explicar cada uma, dentro dos meus conceitos...

Beleza que eu digo é tanto a de rosto como a de corpo, bem como também o charme da pessoa. Inteligência é quando uma pessoa é questionadora, gosta de aprender, é bem informada, culta e racional. Quando eu falo em agradabilidade, eu quero explicitar o interior da pessoa: o caráter, simpatia, amor e generosidade e etc. A palavra agradabilidade na verdade não me parece tão bem empregada, mas vou deixá-la, pois acho que fica interessante para onde eu quero chegar.

Vou colocar agora a mulherada no pau (no menos sexual dos sentidos), e quantificar a coisa.

Vamos supor que a beleza de uma mulher possa variar de 0 à 1, que nem o Fator Ana Clara. Vamos supor também que a mesma variação ocorra para os quesitos inteligência e agrabilidade. Os espectros de cada questito ficam assim, com as devidas classificações em cada faixa, partindo do 0 (pior caso) até o 1 (melhor caso).

Beleza

Inteligência


Agradabilidade



Vou agora introduzir um novo conceito: o Fator Qualidade Mulher (FQM).
O FQM nada mais é do que a soma dos três quesitos mencionados: o Fator Beleza (ou fac), o Fator Inteligência e o Fator Agradabilidade.
FQM = Fator Beleza + Fator Inteligência + Fator Agradabilidade
Levando em consideração que o máximo atingível para cada fator é 1, então logicamente o FQM possui valor máximo de 3, certo? Errado. Muito errado. Dados experimentais mostram que o máximo que o FQM de qualquer mulher pode atingir é o valor 2. Ou seja, você jamais encontrará uma mulher que seja exuberantemente linda, inteligente e hiperagradável ao mesmo tempo. Isso significa que se uma mulher é muito uma coisa, ela provavelmente deixa a desejar (e muito) em outra.
Na prática: FQM <= 2
Vamos estudar agora alguns casos interessantes sobre as distribuição dos três fatores nas mulheres.
Configuração Duo Beauty-Intelligence -> Situação onde uma mulher possui elevados fatores Beleza e Inteligência, mas é uma escrota de carteirinha.
Configuração Duo Beauty-Cool -> Situação onde uma mulher possui elevados fatores Beleza e Agradabilidade, mas é uma verdadeira porta.
Configuração Duo Intelligence-Cool -> Situação onde uma mulher possui elevados fatores Inteligência e Agradabilidade, mas é feiosa a bichinha, tadinha.
Configuração Uno Beauty -> Situação onde uma mulher possui elevado Fator Beleza, mas é escrota pra cacete, além de burrinha.
Configuração Uno Intelligence -> Situação onde uma mulher possui elevado Fator Inteligência, mas é feia e bem escrota.
Configuração Uno Cool -> Situação onde uma mulher possui elevado Fator Agradabilidade, mas é feiosa e burrinha.

Exercícios:

1- Marcela tem um FQM de 1.8. Seu Fator Inteligência é 0.8. Supondo que ela esteja dentro da faixa "Maneiríssima" do Fator Agradabilidade (valor preciso desconhecido), qual o máximo de Fator Beleza que Marcela pode ter? Classifique-a.

2 - Paulo namora Jéssica. A menina possui um Fator Beleza de apenas 0.3. Paulo gostaria muito de otimizar essa característica para 0.7, exigindo que se mantenha a inteligência e o FQM de sua amada. Qualitativamente, qual característica de Jéssica teria que ser sacrificada? Se antes ela estava no meio da faixa "Legal", qual seria então sua nova classificação?

3 - Lara tem um Fator Beleza de 0.4. Ela então, muito vaidosa, foi numa clínica de estética que prometeu melhorar sua aparência em 50%. Supondo que Lara tenha Fator Inteligência e Fator Agradabilidade iguais à 0.8, a promessa da clínica é válida? Justifique.

4- Gabriela era um caso de Duo Beauty-Intelligence. A menina adorava maltratar os rapazes que se apaixonavam por ela, até o dia em que num terrível acidente perdeu a metade da massa cefálica e seu rosto ficou comprometido. Qual é agora, provavelmente, a sua nova configuração? Os rapazes agora possuem chance com ela?

5 - Fabíola possui máximo FQM, que é igualmente distribuído nas três características. Ela, influenciada pelo Clube das Meninas Malvadas, deseja ser Uno Beauty máximo. De quanto cairá seu FQM?



Gabarito Aqui! Letras escaneadas ficam tão feias!



Moral do post: Ninguém é perfeito!


Mas se você é uma garota com potencial para ter um FQM maior que 2, apresente-se ao mundo para que possamos rever os conceitos...
Ou melhor, apresente-se para mim. Me liga, manda recadinho no orkut, hein? ;)

Como eu sei que a senhorita chegou até aqui, vou logo avisando... It's a joke, girl

...

... or is it the truth?

sábado, 14 de junho de 2008

Big Bang

Oi,

Você já deve ter ouvido falar no Big Bang né?
Segundo a Wikipédia, o Big Bang é a teoria científica que diz que o universo emergiu de um estado extremamente denso e quente há cerca de 13,7 bilhões de anos. Ou seja, toda a matéria que existe hoje no universo era altamente concentrada, com temperatura elevadíssima, e que por algum motivo começou a se expandir, perder densidade, esfriar, e dar formato às estrelas, planetas e outros corpos celestes dos quais já ouvimos falar. Para a comunidade científica, essa é a teoria acerca do início dos tempos aceita atualmente.

O universo continua sendo e ainda será por muito tempo um mistério cada vez mais difícil de ser desvendado completamente. As distâncias entre os corpos celestes no espaço são medidas em anos-luz (distância que a luz percorre em 1 ano). Sabendo que a velocidade da luz é de 299.792.458 (aproximadamente 300 milhões) metros por segundo, estamos lidando, portanto, com quantidades tão absurdamente elevadas, que não conseguimos buscar uma boa analogia para termos noção do que esses números representam. Mesmo sabendo que se tratam de valores muito altos, nossa idéia sobre eles ainda permanece aquém do que eles realmente são.

Dando um zoom astronomicamente gigantesco no universo em determinado ponto, podemos chegar ao Sistema Solar, nosso amigo conhecido desde o Ensino Fundamental.

O Sol nada mais é do que é uma das incontáveis estrelas que foram formadas pelos destroços do “Big Bang”. E a poeira em torno do sol recém-nascido começou a dar origens aos planetas que atualmente o orbitam.

Então é basicamente isso. Trata-se de uma explosão com origem não muito bem explicada, que jogou matéria, antes condensada num ponto, para todos os lados e que num processo de bilhões de anos formou tudo o que sabemos hoje do universo. Agora vamos dar um novo zoom, dessa vez no Sistema Solar. Chegamos então ao nosso íntimo planeta Terra.

Já pararam pra pensar em como a dinâmica do nosso planeta é interessante? A água brota da terra, e vai escorrendo pelos rios até desembocar no mar. Depois é evaporada e volta para a terra através da chuva. Os seres vivos absorvem o gás oxigênio da atmosfera e emitem o gás carbônico como resultado do processo. Este, por sua vez, é absorvido pelas plantas, árvores e algas através da fotossíntese a fim de produzir alimentos para elas mesmas, resultando, ao fim do processo, no retorno do gás oxigênio de volta à atmosfera.
Parece que tudo se encaixa de maneira perfeita.
E as paisagens naturais? As montanhas, o pôr-do-sol na praia, rios e cachoeiras. Aquele céu completamente azul deixando os primeiros raios de sol da manhã invadirem a varanda da sua casa. A sensação gostosa que é passear por um parque verde ou um jardim ao lado de uma pessoa agradável, enquanto a brisa da tarde e os sons da natureza envolvem o assunto dos dois. A imagem e harmonia da natureza é um verdadeiro convite para casais apaixonados em busca de inspiração para o amor que sentem um pelo outro.

E ainda há a beleza da vida. A simplicidade dos animais. As formigas, exemplo de organização e trabalho. As abelhas, que produzem o delicioso mel, a lagarta que de repente se fecha num casulo e através da metamorfose sai de dentro dele um inseto mais bonito e incrivelmente diferente. O cão, exemplo de fidelidade. A imponência do leão, rei das selvas.

E nós, seres humanos? Nosso organismo é de uma complexidade que me soa milagrosa. As células, que nos compõem e são responsáveis por cada função dentro do nosso corpo, formando os vários sistemas que nos mantém vivos. Nossa capacidade de locomoção e nossos sentidos, que nos permitem falar, degustar, ouvir, farejar e sentir o ambiente que nos cerca. E tudo é comandado pelo nosso magnífico cérebro, mais poderoso que o melhor computador da atualidade. Acredito que os projetistas jamais conseguirão construir uma máquina igual ao nosso cérebro.

A inteligência do homem é por tantas vezes surpreendente. É incrível a nossa capacidade de aprender, pensar, arquitetar, calcular. Uma pena que muitas besteiras sejam feitas também. Mas quando a nossa inteligência é usada em equipe e com seriedade, verdadeiras maravilhas são produzidas. Grandiosidades essas que nos fazem perguntar se somos feitos somente de carne e osso.


Eu não sei as poeiras de estrelas, mas nós temos ainda a maior das capacidades, a de amar.
É quando um homem olha para uma mulher, e se apaixona pelo seu jeito naturalmente encantador, conseguindo ver, nos olhos dela, a futura mãe dos seus filhos. O forte sentimento que os unem e levam-nos à união pelo matrimônio, sacramentando assim o desejo que possuem de viverem ao lado um do outro.

O amor de uma mãe por seu filho. A preocupação, a aflição, o desejo que possui de só querer o bem para ele, mesmo que às vezes ela não saiba como agir. Amor também esse que não precisa vir de uma mãe e nem de um pai biológico, mas sim de pais adotivos, outros parentes, ou alguém que ama outro como filho e que daria sua vida por ele. Alguém que se propõe em abdicar de sua vida em função da felicidade de outra pessoa merece muito mais do que ser classificado como Homo sapiens.


O belo sentimento de fraternidade que une as pessoas. A generosidade e solidariedade que brotam lá de dentro (ou pelo menos deveriam), e nos fazem dizer palavras de carinho e consolo para alguém que sofre. A amizade entre duas pessoas, que faz com que saibamos aquilo que nosso amigo sente e quer dizer somente pelo olhar. O poder do abraço e do cafuné que nos pertence para que usemos com nossos afetos. É incrível a capacidade do ser humano em fazer bem para o próximo apenas estando ao lado, servindo de ombro amigo.


E o que falar das crianças? Ingênuas, puras. As quietas e as arteiras, todas sempre levam um pouco de sua pureza e alegria para adultos estressados. E partindo para o outro extremo da vida, temos os idosos, que apesar da grande diferença de idade, são muito parecidos com as crianças em sua ingenuidade e leveza. As rugas aparecem, o corpo torna-se mais vulnerável, e a capacidade física fica debilitada. Entretanto, a sabedoria adquirida ao longo de sua vida é imensa. Uma pena que nem todos gostam de ouvir as coisas úteis que eles tem para compartilhar.


Mas sabemos que nem tudo no planeta Terra são flores. Afinal, temos gente ruim vivendo por aqui. Pessoas que mentem, roubam e matam. Gente que manipula e fere. Há também os pesados fatos da vida. As tragédias, a perda de um ente querido, o fracasso no amor e no trabalho. Sentimentos ruins como a inveja e a ira, que mostram nossa face mais desagradável (e tão humana), e fazem com que a gente chegue no fundo do poço.

Mas não haveria luz se não fossem as trevas, não é mesmo? E é aí que o ser humano então se revela a criatura mais surpreendente que existe. Nós temos garra, temos força de vontade. Vontade de lutar pela vida, lutar pelos nossos direitos e desejos. Lutamos constantemente todos os dias. Lutamos na escola, faculdade, trabalho. Lutamos contra os fatos desagradáveis da vida. Perseveramos em nosso talento e sorte, a fim de realizarmos nossos sonhos.



Sonhos esses que nos elevam. Essa vontade que nos torna maiores do que realmente somos. E então nós percebemos como nosso corpo é limitado. O homem deseja voar, mas não tem asas. Queremos abraçar e ganhar o mundo, mas somos fisicamente pequenos demais para isso. E aí, então, que descobrimos uma coisa... a nossa alma. Ela que grita e que, curiosamente, não parece ser feita de carbono e nem de resto de pó galáctico.


Ah, Big Bang, quanto mistério...
Mas como Tu és maravilhoso.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Renanzices em vídeo

Há vários motivos que fazem com que minha família se reúna. Natal, Ano Novo, aniversário, Dia das Mães e etc. E seja qual for o próposito, tudo sempre acaba numa grande farra. Farra que eu digo é no bom sentido. É aquela coisa bem família, onde todos se divertem contando piada, ou simplesmente algum fato que presenciou.

Nesse fim de semana, o motivo do povo de juntar foi para comemorar o aniversário de 22 anos da minha prima Morena. E eu, como membro de uma família tão animada, fui tomado por espíritos da desinibição, e acabei fazendo algazarra, tentando divertir todos os presentes.

Nesse vídeo, eu faço três piadinhas. Na primeira, que começou a ser filmada já no final, eu fico encenando mosquitos irritantes que voam perto do ouvido de infelizes que desejam dormir.Na segunda, eu imito um trabalhador cansado voltando de trem pra casa. Nessa parte, meu pai faz uma magnífica sonoplastia de tal meio de transporte. E na última, eu conto uma coisa bizarra que vi no ônibus uma vez: uma mulher gigantesca, brigando com seu marido magrelo e submisso, um tal de Daniel.

Apesar de eu ter tirado da filmagem apenas uma pequena parte, o vídeo não está editado. Não tenho muito paciência pra isso. Mas vê aí.

E ainda teve mais coisa. Só que na boa, não to mesmo afim de postar a parte em que eu danço "Cada um no seu quadrado".

Obs.: Eu não bebo.

domingo, 1 de junho de 2008

miliRenan

Estudei, vi a final do Çoletranu do Huck, fui tomar um banho, peguei meu mp3, deitei na cama e fiquei lá escutando minhas músicas. O tempo frio, nada programado para o sábado à noite (domingo não me escapa. Update: escapou!). Tudo isso fez com que eu ficasse com o fone de ouvido detonando meus tímpanos enquanto olhava para o teto, no maior ócio. Então, viro minha cabeça e avisto uma das gavetas do guarda-roupas. A última delas, no baixo, discreta, menor que as outras, quase nunca é aberta. Mas é lá que ficam todos os álbuns de fotografias tiradas pela minha família até hoje.
Por que não? Considero um passatempo divertido e nostálgico olhar fotos antigas. Tão divertido que me empolguei e pensei logo em postar aqui algumas. E para ser mais específico, escolhi as de quando eu era criança.
Apreciem!
Começo com quatro fotos de um passeio que eu e meus pais fizemos para São Loureço, MG, em 1993 (eu com seis anos). Escolhi essas porque apesar da pouca idade, eu me lembro bem desses dias que passamos lá, com muitos detalhes. São especiais. Só não lembrava a data, mas o organizado dad faz questão de colocar a data na contracapa de todos os álbuns, além de mencionar o local e a ocasião.
Eu não me lembro (contradição), mas com certeza estava com medo de tirar essa foto. Eu tinha mó pavor de piscina, lago, mar, enfim... coisas com muita água. Fotos depois, vocês verão que eu superei essa palhaçada.

Passeio de pedalinho na forma padrão de um cisne, que mais parecia o bico de um tubo de mostarda contendo catchup.

Segurando a mão do pai não por ser super carinhoso, mas sim por estar com um medo do cacete de cair na água.

Po, esse hotel em que ficamos não havia uma criança hospedada sequer. Nenhuma. Era só eu para todo o playground. Mas diz aí, gatinho eu né?
Voltamos mais ainda, agora para 1991.

Eu de sunga preta com quatro anos e meu primo Dio com oito tentando jogar uma sinuquinha. Sobre a sunga preta, reparem bem em como ela se posiciona em meu soft bumbum. Não, não reparem! E minha mãe nem pra dar uma ajeitada nela antes de fotografar.

Um amigo do meu pai, sua esposa, minha mãe no lado direito, Dio perto da bicicleta, e eu, meio loiro, com língua de fora e com as mãos formando um gesto que hoje eu considero obsceno.
Não lembro o ano em que essa foto de baixo foi tirada, mas creio esteja entre 1990 e 92.
Sou eu no lado direito com meu primo David. A sempre boa e aconchegante casa da vovó. E por falar em casa da vovó, vamos ao falecido vovô, numa das fotos que mais gosto.
Por você já ter visto as fotos anteriores, creio que não precise que eu me identifique nesta. Até porque uma certa camisa linda o faz.
Seguindo com as imagens familiares, vamos para Taubaté, SP, voltando mais ainda, para 1990, aniversário de noventa anos de uma das minhas bisavós, hoje também falecida como é de se esperar. Aquele tipo de festa que reúne primos e tios distantes de enésimo grau que nem conhecíamos.

Nessa primeira estou eu com 3 anos ao lado da minha prima Morena. Convivemos até hoje, assim como todos os outros primos.


Nessa outra, todos educados se posicionando para o foto ao lado da bisa, e eu chegando para atrapalhar tudo.
Agora é a hora da foto-superação do medo de cair na água.

O pódio era feito com caixas de cerveja, mas to lá eu em primeiro lugar da competição de natação. Eu era realmente bom nisso. Modéstia à parte, não faço idéia de quantas vezes conquistei esse topo entre os 6 e 13 anos. Depois, eu comecei a enjoar das aulas de natação, faltava muito, e fui ficando fraquinho no ranking, até que abandonei de vez.
Partimos agora para a sessão "fotos meigas de colégio que hoje nos causam vergonha". Mas apesar do leve constrangimento, decidi postá-las.

Essa aí até que passa. Estou mais ou menos decentemente bonitinho com meus 3.5Kg de beiço.
O problema dessa é que estou bonitinho demais.

Essa aí nem se fala. Um verdadeiro mico. Desfile de 7 de setembro.
E agora, para finalizar...

... melhor deixar pra lá. Village People total. Não lembro, mas eu ainda cubro na porrada quem pediu para uma criança inocente se vestir e posar assim.
Bom galera, é só. Isso é apenas uma pequena parte das minhas fotos de criança que tenho aqui. Guardadas com muito cuidado e carinho para que eu possa apreciá-las (ou não) no ano que vem.