sábado, 6 de dezembro de 2008

Músicas de arrepiar

Existe uma coisa que me amarro em fazer, e faço: cantar! E existe também uma coisa que não sei fazer muito bem: cantar!

Essa irritante combinação já me fez perder muitos amigos. Brincadeirinha! Mas já foi motivo para eu levar alguns esporros do tipo "cala essa boca, infeliz!". E é geralmente quando ouço coisas desse tipo que me dá mais vontade de cantar. Acho que sou irritante por natureza. Mas tem gente que gosta de mim, ou me atura, então tá bom né :P

Entretanto, existe uma coisa que gosto mais de fazer do que cantar: ouvir música. E ando fazendo isso com cada vez mais freqüência (o trema vai cair ano que vem, graças a Deus), devido ao advento dos mp3 players, iPods etc. E acho que isso tem afetado os meus ouvidos. Descobri recentemente que não ouço ondas sonoras de 15KHz para cima. Eu e meus amigos da faculdade estávamos no laboratório de Eletrônica IV, e colocamos o gerador de ondas para gerar uma frequencia (chega de trema!) de 15KHz. Todos estavam ouvindo um agudo baixo irritante, menos eu! Dei um tempo com fone de ouvido.

Enfim, frustrações auditivas a parte, vamos falar de música. Há sempre aquelas que mexem com a gente de alguma forma. Seja nos emocionando, nos remetendo a algum lugar e/ou ocasião especial, ou simplesmente nos fazendo apreciá-la. Nesse post eu selecionei algumas desse tipo, bem intensas. Claro que nem todos vão concordar, mas mesmo assim aí vai... e com videoclipes de cada.

 

Sweet Child O' Mine - Guns n' Roses

Você pode não conhecê-la pelo nome, mas com certeza a conhece pela belíssima introdução de guitarra. É o ícone do rock n' roll dos anos 80. Aliás, provavelmente é um dos maiores hits do século. Ao ouvir a introdução, automaticamente eu coloco o volume no máximo. É inconsciente. Começa a maravilhosa guitarra e pronto, volume no máximo.

Não sou conhecedor de rock. Não sei diferenciar os estilos. Não entendo mesmo. Mas acho que uma boa música é aquela que faz até um leigo no estilo apreciá-la. E acho que são poucos os que não gostam dessa. Axl Rose, o vocalista, conduz a canção de maneira transcendental. Não é música para você ouvir quieto, não dá. A melodia impõe que você ao menos faça caras e bocas, cantando-a, ou fingindo estar tocando a tal guitarra. Sem contar a letra, que fala de amor de uma maneira diferente, única. Resumindo, êxtase total.

 

We Are The Champions - Queen

Eu gosto muito desse tipo de música, que começa de maneira suave, e vai ficando intensa até o refrão, onde acontece o ápice. E tem muita canção por aí com uma letra perfeita, mas que a melodia ou cantor deixam a desejar, e acabam prejudicando todo o clima e mensagem que ela poderia passar. We Are the champions definitivamente não é assim. Você realmente se sente um campeão ao escutá-la. Se não sente, pelo menos ela te motiva a querer vencer os seus obstáculos, ao som da imcomparável voz de Freddie Mercury. Não é à toa que ela se tornou um hino de vitórias desportivas em todo o mundo.

 

How Can I Go On - Freddie Mercury e Montserrat Caballé

E novamente ele. Dessa vez Freddie Mercury canta junto com a famosa cantora lírica espanhola Montserrat Caballé. Você consegue imaginar uma música clássica misturando uma maravilhosa voz 'rockeira' com uma maravilhosa voz de soprano? O resultado é o dueto mais bonito que eu já ouvi na vida.

E não é para menos. A interpretação dos cantores, a beleza da letra, o lirismo da melodia, tudo contribui positivamente para que esta seja uma canção eterna. A música é bonita do início ao fim, mas na minha opinião a melhor parte é quando Montserrat canta, e ele repete os versos que ela diz. Vale MUITO a pena ver o vídeo. Arrepio total!

 

Thriller - Michael Jackson

Para começar, o álbum que contém esta música é o mais vendido de todos os tempos. E ela bem que poderia nos arrepiar de pavor, afinal o medo é o tema principal, mas não. A música é cantagiante, tem todo um clima delirante, dá vontade de dançar com o pessoal que está perto, imitando os monstros do videoclipe. Aliás, existe algo melhor que esta música: o seu próprio videoclipe. Nele é apresentada umas das coreografias de grupo mais perfeitas que já se fez. Os monstros, realmente assustadores, conseguem até ficar divertidos.

Dance com os monstros, e com o Michael das trevas.

 

Como os nossos pais - Elis Regina

Agora uma nacional. E vamos ao que tem de melhor, Elis. Ninguém interpreta essa música melhor do que ela o fez, de maneira tão forte e comprometida. A paixão que ela coloca em sua voz é algo emocionante. A música foi composta por Belchior e fala sobre uma juventude que luta por mudança e percebe, que na verdade, age da mesma forma como os seus antepassados, repetindo a história.

Elis não somente canta, ela dá vida a esta canção. Emocione-se.

 

Hino da Vitória - tema da F1

Se We Are the champions é o hino da vitória mundial, temos um somente brasileiro. É aquele dos bons tempos de Ayrton Senna, onde este ao cruzar a linha de chegada em primeiro lugar, enchia os corações brasileiros de felicidade e os olhos d´água, embalados por esse famoso instrumental "tã tã tã, tã tã tã".

Recentemente a música foi tocada com a vitória de Felipe Massa no Grande Prêmio do Brasil. Apesar da vitória geral ter ficado com Hamilton, aquele foi um breve momento em que nos lembramos dos anos 90, das vitórias de Senna.

 

@@@@@

Esses são apenas alguns exemplos. Vocês agora precisam é me ouvir cantando. Aposto que vão se arrepiar. Só não garanto que vá ser de emoção.

4 comentários:

João Felipe disse...

Como você disse, a música realmente tem esse poder de ser algo transcendental. E isto é magnífico.

Renata disse...

AH, você não canta tão mal assim!
Eu gostava de ouvir vc cantando aqueles flashbacks!!!

Daniele disse...

Adoreeei esse post!!
Suas palavras foram mto bem colocadas. A música nos atinge de maneira inexplicável, é capaz de nos fazer rir, chorar, remeter-nos a lugares, situações e sentimentos que só nossas mentes sabem!!

amaima disse...

Adorei visitar seu blog. Me orgulho muito de ser sua tia.
Toda vez que vc fizer coisas marvilhosas assim, me avise e me mostre. Amarei ver.
bjs,
Tia Izaura