sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Incentivadoras da promiscuidade

O RenanZices está completando 1 ano hoje. Por esse motivo acho que vale a pena renovar o seu propósito e fazer uma rápida retrospectiva. Não vai levar mais do que dois parágrafos. Após isso, inicio o assunto referente ao título desse post.

Quando decidi criar um blog, não foi para transformá-lo no meu diário virtual. Essa é uma prática que quase não existe mais. O conceito de blog hoje é de um espaço onde o blogueiro expõe o seu ponto de vista sobre diversos assuntos. É uma forma de descarrego de personalidade e ideias, em forma de palavras, sobre pessoas que se dispõem a lê-las. A recompensa está no fato de alguém te abordar, dizendo que gostou (ou não) do que você escreveu. É muito bom ser lido. E não, a publicidade não está dando dinheiro.

Durante esses 366 dias (o ano passado foi bissexto), falei um pouco sobre a minha vida, principalmente das situações insanas pelas quais passo. Mas a centelha que deu origem a maior parte desses textos está no bate-papo com pessoas que interagem comigo por aí. Soma-se a isso um pouco de imaginação (minhas renanzices) e... tcharam... tem-se o conteúdo. Foi assim com o Miguxos S2 Forever, por exemplo, um dos textos (segundo apurações) mais engraçados por aqui. Dessa vez foram conversas com amigos da faculdade que me inspiraram a escrever os parágrafos (talvez besteiras) abaixo.

Você, rapaz jovem em torno dos 20 anos, mesmo que por rebeldia não admita, qual é a pessoa que mais te ama nesse mundo? Se ela estiver viva, sim, provavelmente é a sua querida mamãe. Afinal, a sua progenitora...

... te acolhe nos momentos difíceis.

... tenta te proteger de todas as formas possíveis e impossíveis.

... deseja que você se torne um profissional bem-sucedido.

E...

... quer ver em você um exemplo de romantismo com a garota que você se relaciona.

Parece curioso, mas não é isso que se observa. Mãe não gosta de ver filho homem e jovem amarrado. Da minha eu já ouvi coisas do tipo: "tem mais é que pegar mesmo", "dê uns beijinhos aqui, outros ali, você é jovem". E segundo relatos, outras dizem: "tem que curtir mais, meu filho", "essa coisa de ficar namorando uma por muito tempo só vai te frustrar", "você vai se arrepender quando ficar mais velho", "acaba logo com esse namoro. Parece boi amarrado", "vá se divertir"

Curioso. Por que mulheres maduras que vivem na era da pós-revolução feminista apresentam tal pensamento machista? Não parece fazer muito sentido.

Como contraexemplo, vamos pegar a relação pai-filha. O pai sonha que a sua menina seja sossegada em termos de namoro. Por mais que na juventude ele tenha se esbaldado com as piranhas safadas da época, o pai sabe que no fundo o homem se encanta e fica com as mais decentes. Portanto é essa imagem que quer ver em sua filha. A lógica então se mostra consistente. Vejam bem, não estou julgando essa relação como certa ou errada, mas ao menos a lógica se fecha.

Já com a relação mãe-filho é coisa é um tanto estranha. Quando eram jovens, principalmente naquela época (décadas de 60, 70 e 80), o casamento era algo muito mais valorizado. Sonhavam em encontrar o príncipe encantado e se casar com ele. De preferência um jovem puro, romântico e fiel. Valorizavam extremamente os caras assim. Por que então hoje em dia elas torcem o nariz para esse tipo de atitude de seus filhos? As mães simplesmente parecem não querer que os filhos sejam tudo aquilo que elas sonharam em um homem quando eram jovens. Não é curioso?

Não estou dizendo que as mães querem que seus filhos saiam por aí transando loucamente sem precauções, maltratando as mulheres, sendo mau-caráter e tal. Mas parece que elas não querem que eles sejam tão bonzinhos, tão fiéis, tão amarrados, tão apaixonadinhos. Sacam?

E é aí que começo a teorizar sobre o porquê disso. São 5 teorias, talvez certas, quem sabe até sejam complementares, ou nada mais do que merdas divulgadas.

 

capitão1) As mulheres, subconscientemente, sempre aceitaram a promiscuidade masculina. Por que não? Ora, os humanos se proliferaram neste mundo devido à este comportamento. Os homens tinham relações sexuais com várias mulheres. Era um ato decorrente de um questão de logística biológica. Muita produção de espermatozóides em homens, pouca produção de óvulos em mulheres. Portanto, para tentar um equilíbrio, a regra da natureza era: procurar mais óvulos. Ou seja, fecundar muitas mulheres. E essa regra se dava na forma de instinto. Eu já falei sobre isso recentemente por aqui.

As mulheres lidavam naturalmente com esse comportamento dos homens. E talvez tal aceitação ainda se manisfeste hoje em dia, como um vestígio evolutivo de um passado distante. As mães "sabem" que seus filhos, como homens jovens que são, devem buscar a perpetuação da espécie. Daí o incentivo à procura de outras (e várias) mulheres, de forma puramente subconsciente.

 

2) Mãe sabe que a mulher pode  não ser tão boazinha assim.manipu

Talvez seja isso. Sabemos que existem mulheres manipuladoras. E nós homens temos que aprender a lidar com elas. Aquele olhar sereno, aquela pele lisa, o toque suave... tudo pode ser uma armadilha perigosa para detonar a gente. E nada melhor do que mãe para farejar isso.

Mas como ela aceita que o filho deva se relacionar, que seja então com muitas (não necessariamente ao mesmo tempo), para não se machucar.

 

3) O filho é jovem. Está saindo agora das asas maternas. Então mãe acha que nenhuma outra mulher pode cuidar do seu filho melhor do que ela mesma. Adicione um pouco de ciúme a isso.

Se a fila do rapaz anda rápido, cada uma das moças individualmente não representa perigo algum para a mãe, pois não tomam mais do que insignificantes partes do tempo e da cabeça do filho. São aventuras passageiras, e seus poderes sobre ele são pequenos, já que está dividindo-o com outras. Ele não se importa tanto com cada uma, logo o ciúme das mães e a preocupação delas em perder o posto de protetora do rapaz não fazem sentido.

Agora, se aparece uma por quem o cara cai de amores e jura fidelidade eterna, a coisa de complica. Essa mulher passa a ter poder integral sobre ele. Vira a cabeça do infeliz, e toma as rédeas de seus desejos. Não que seja má como a da segunda  teoria. Mas essa sim tem potencial para competir com a mãe pelo amor do filho, e pode levar o brinde embora para casa, frustrando assim a mãe protetora, que ainda não se acostumou com a ideia do seu queridinho ter que voar um dia.

 

celebridades044) Falta de solidariedade feminina.

As mulheres tendem a se rivalizar com mais frequência do que os homens. Não me perguntem o porquê. Talvez a resposta esteja também na evolução da sociedade humana. Mas não quero falar mais uma vez sobre isso para não ficar tão chato.

Diz a lenda que os amigos homens quando se encontram gostam de se xingar e  se zoar, mas no fundo admiram uns aos outros. Já as "amigas" mulheres trocam elogios e enchem suas autoestimas, mas na verdade são cascavéis que vivem tentando se derrubar. Por isso tem mulher que prefere amizade de homem.

Se as mães quando eram jovens queriam príncipes perfeitos para casarem, hoje em dia elas não estão nem aí para as menininhas que querem conquistar seus filhos, mesmo sabendo que um dia foram tão românticas quanto. Elas é que se explodam. "Meu filho tem mais é que ser garanhão".

 

5) A mãe simplesmente não gosta da namorada do filho.

"Prefiro meu filho com várias do que com ela".

E aí, cara mocinha apaixonada, meus pêsames! Começou o pior pesadelo de sua vida...

... um conceito, uma piada já batida, algo que já está implícito desde a segunda teoria, um mito universal: a sogra!

Boa sorte!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Morenices e Rafaelices também

Horas bem divertidas são garantidas quando a minha família se reúne. E a diversão é multiplicada quando se juntam determinados membros que tendem à palhaçada. Dessa vez, eu, minha prima Morena, e seu namorado - o totalmente bem encaixado e aceito na família - Rafael, fazemos uma simulação do som de uma cigarra. Maurinho (outro primo) é o responsável pela filmagem. Bom ou não, engraçado ou não, o vídeo ao mesmo mostra como as horas passam dentro da divertida família Almeida.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

About Me

Enquanto não penso em nada mais (in)útil para postar...

... brinquem com esse quiz aí sobre mim. Vai lá, não é vírus e é bem bobo, do jeito que vocês gostam =)

atualização: o quiz está com defeito. Esqueçam! Sorry =(

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

...

Acho que o apêndice está ligado à criatividade. Depois de ter retirado o meu na semana passada, não consigo pensar em nada pra postar.

Mas calma... uma hora sai algo.