sexta-feira, 10 de abril de 2009

É hoje!

Vinícius estava em polvorosa. Havia recebido um telefonema de Clarissa no fim da tarde, no qual ela confirmava com meiguice a sua presença às 21h na festa de aniversário de Diego, um amigo em comum. Vinícius se descobriu encantado pela menina meses atrás, e desde então, tentava sem muito sucesso, aproximar-se dela de uma maneira mais íntima. Acreditava que teria sua chance à noite. Afinal, uma moça que liga para um rapaz querendo sondá-lo para saber se apareceria ou não numa festa deveria estar pelo menos um pouco interessada, pensava ele.

A lua começava a se evidenciar na noite, quando Vinícius resolveu ir se aprontar. Tomou um banho demorado, mil coisas passavam pela sua cabeça, lavou bem até as orelhas. Terminou o banho, olhou-se no espelho, resolveu fazer a barba. Pegou uma lâmina nova para ficar bem feita. Tomou cuidado para não se cortar, como era de costume, e realmente não o fez. Foi para o quarto, arrumou-se. Demorou que nem mulher, pois queria impressionar. Colocou um cordão de ouro com pingente em forma de 'V' que havia comprado numa viagem que fez com seus pais no final do ano passado. Passou um perfume francês que havia ganhado de aniversário de sua avó. Se rendeu a um pote de gel, até então usado somente pelo seu irmão mais novo. Queria ficar impecável.

Voltou para o espelho do banheiro. Não era um rapaz de grande autoestima, mas ficou animado com o que viu. Se achou bonitão. Chegou a piscar o olho para si mesmo, pensando "é hoje!". Escovou os dentes com gosto, deu mais uma olhada no visual, mais uma arrumada no cabelo. Saiu. Chegaria pontualmente às 21h. Ele sabia que poderia ser inconveniente chegando numa festa na hora marcada. Mas não queria perder um minuto sequer da noite. Só pensava em Clarissa.

Diego recebeu o seu primeiro convidado com um sorriso e um abraço. Após as felicitações, disse:

- Clarissa virá!

- É, eu sei. Ela me ligou.

- Mmmmmm, é hoje hein!

Vinícius riu sem graça. Os minutos passavam, mas ele continuava a ser o único convidado na festa. Tinha toda a atenção do aniversariante, que lhe contava a história de uma desafeta que segundo ele era "a pior pessoa do mundo". Vinícius só ouvia, enquanto olhava para a porta de entrada do apartamento de Diego, local da festa. Os outros convidados começaram a chegar. Tios, avós, primos, alguns amigos da faculdade. Menos Clarissa. Estava ansioso, mas tentava disfarçar.

Quando voltava da cozinha com uma caipirinha na mão, sem esperar, deu de cara com Clarissa. Estava linda, exuberante. Um sorriso de deixar qualquer marmanjo de perna bamba. Quis demonstrar certa indiferença no cumprimento. Disse:

- Oi.

- Oi! Que bom que você veio. Ta aí há muito tempo?

- Cheguei às 9 certinho - escorregou.

- Nossa, quanta incoveniência! - riu Clarissa.

Conversaram um pouco. Achou que havia se saído bem. Não deu muita confiança para a menina. Os amigos lhe diziam que ele deveria tratá-la com um pouco de frieza mesmo, para que ela não se achasse dona da situação. O fato é que Clarissa estava apaixonada por um gringo de cabelos loiros e olhos azuis, e Vinícius sabia. Mas mesmo assim parecia querer manter seu admirador à sua cola. "Ela quer é ter alguém para lhe encher de elogios enquanto chora por outro", dizia sempre um amigo para Vinícius.

Não tardou muito e Clarissa começou a chorar suas mágoas. Vinícius odiava ouvir. Se sentia pisado ao escutar da moça que desejava que ela se prestava ao papel de escrava de outro. Não se rendeu. Não tentou animá-la. Pelo contrário. Disse-lhe algumas verdades. Pareceu funcionar, pois mesmo reclamando da agressividade do amigo, o convidou para a sala, que improvisava uma pista de dança.

Vinícius dançava tecno colado com Clarissa. Os olhares dos seus amigos presentes na festa, inclusive de Diego, o levaram a crer que estava ganhando a parada. Ele se soltava cada vez mais. Não sabia dançar direito, mas estava se esforçando tanto que uma roda se abriu para que os dois protagonizassem o momento. Clarissa rebolava, descia até o chão junto com ele. Êxtase total. Tratar com indiferença a menina? Ela já havia esquecido esse conselho.

Sua alegria durou pouco. Quando decidiu que iria investir num beijo, Clarissa, de frente para ele com as mãos em torno de seu pescoço, olhou fixamente por cima de seu ombro. Vinícius peguntou o que estava acontecendo. A menina não respondeu. Olhou então para trás e viu o tal gringo, que tinha acabado de chegar na festa. Era conhecido de Diego. "Não acredito!", decepcionou-se Vinícius. Era o fim. A empolgação de Clarissa murchou instantaneamente. A música terminou. Vinícius se viu sozinho no meio da roda, que já se desfazia.

Andou em passos lentos, olhar triste. Sentou-se no sofá, enquanto via Clarissa conversando com o gringo. "Não é mais do que eu", pensava ele sobre o rival. Ele ficava impressionado, pois ela se derretia diante de outro, parecia adorá-lo e segui-lo como se ele fosse algum tipo de profeta, ou um Deus. Estava conformado de que a festa havia acabado para ele, até que uma moça sentou-se ao seu lado. Era Bárbara, uma somente conhecida.

- Cansado? - perguntou ela.

- Um pouco.

- Deu um show no meio da sala hein. - ela riu

- É... - ele esboçou um sorriso. - adoro esse estilo de música.

- Eu também. Tanto que corri atrás e consegui de graça um convite para a "Mix Star", aquela boate nova e super cara que toca tecno à noite toda.

- Poxa, tava doido pra ir nela.

- Ué, posso conseguir um convite pra você também. Tenho uma amiga que trabalha na gerência e...

- Ah, eu quero muito! - riu com vontade.

Ela retribuiu com um sorrisão cativante. Saíram juntos da festa. Conversaram sobre amenidades no caminho de volta. Descobriram muitas afinidades. Ele a deixou na porta de casa após um caloroso abraço e dois beijinhos. "Até que não foi tão ruim", pensou ele enquanto ia embora. Caminhou pelas ruas de volta para a sua casa. Pensou em Clarissa. Mas não ficou triste. No fundo, ele conseguia entendê-la. Já foi apaixonado umas duas vezes. Sabia como eram essas coisas. Ligou para Diego. "Seu aniversário foi ótimo cara! Parabéns mais uma vez, meu amigo". Desligou o telefone. Pensou na "Mix Star", que finalmente conheceria. Pensou em Bárbara, que o convidou para curtir no lugar. "Estaria ela interessada em mim?" Vinícius estava em polvorosa.