quinta-feira, 12 de maio de 2011

Sintomas de um homem desapegado


Há três anos atrás, eu escrevi o "Sintomas de um homem apaixonado", baseado nas minhas experiências de rapaz gamado. Hoje, eu tenho uma relação de vergonha e orgulho com esse texto. Vergonha porque hoje eu não o escreveria novamente daquela forma; achei que ficou meloso demais. Orgulho porque é o meu texto mais relevante (ou menos anônimo) na internet, estando reproduzido em alguns blogs por aí, mesmo que sem os devidos créditos a mim. Mas não me importo, pois sei que estou sujeito a isso.

Para vocês terem uma ideia, de todos os acessos diários que recebo aqui - que não são muitos, visto que estou longe de ser famoso na internet - bem mais da metade são para o link do "Sintomas". Creio que o motivo seja porque, sem querer, eu usei palavras-chaves fortes no título. Sabem como é, essa coisa de paixão mexe com todo mundo, e pelo menos uma vez na vida não sabemos lidar com isso. E a que muitos de nós recorremos para buscar auxílio? À internet. Então, aquela mulher que não sabe se um cara está afim dela ou o rapaz que quer saber se está apaixonado ou não, digita no Google por exemplo, a combinação "sintomas + homem + apaixonado", e lá aparece o RenanZices cheio de abobrinhas sobre o assunto.

Mas vamos ao novo texto, que é justamente o contrário do mencionado nos parágrafos anteriores. Infelizmente, tudo o que começa pode ter um fim; principalmente a paixão, que costuma ser tão efêmera. O texto que segue abaixo é baseado 1º) na minha experiência de ter tido uma mulher apaixonada por mim, mas que não era correspondida o suficiente e 2º) na observação do relacionamentos de amigos que, em determinado momento, já não estavam mais tanto "aí" para suas parceiras. Sei que a minha pouca idade talvez não me credite para escrever com sabedoria sobre isso, mas acho que pelo menos tenho bom senso.

Antes de tudo, uma consideração. A mulher, logo que percebe que não está mais afim do cara, costuma ser mais direta e termina tudo de forma mais abrupta. Já o desapego de um homem por uma mulher é como um câncer, que se instaura despercebido e vai, lenta e silenciosamente, eliminando todas as atitudes inerentes a um homem apaixonado. E o homem costuma ser apático nesse processo. Quando a mulher percebe que algo está diferente, é porque já está diferente há algum tempo. Mesmo assim, o homem costuma dizer que está tudo bem, que não é nada. E o processo continua, as coisas pioram. Chega um ponto em que a mulher, que é naturalmente mais incomodada e ansiosa com problemas na sua relação, decide discuti-la, na maioria das vezes através de uma briga feia. É a deixa para ele terminar, caso ela não o faça.

Tudo o que está escrito abaixo soa muito óbvio. E é mesmo. Mas é interessante notar que a pessoa que está dentro de um situação pessoal tem dificuldade para perceber o óbvio. Portanto, vamos aos sintomas.

1) Desejo de mudança. Se um homem apaixonado costuma ser extremista ao ponto de considerar esse sentimento a coisa mais importante do mundo para ele e focar grande parte do seu tempo na amada, o homem desapegado começa a dividir mais a sua vida. Dividir demais. Há o interesse em fazer novos amigos. Há o interesse em resgatar amizades antigas. Há o interesse em sair mais vezes com esses amigos. É normal alguém comprometido sair de vez em quando com os seus amigos, sem a companhia da mulher. Normal e corretíssimo. E é normal também que alguém faça novas amizades quando muda de trabalho, muda de endereço, etc. Mas, se o cara não passou por nenhuma dessas mudanças concretas e, de uma hora para outra, decide se dedicar mais do que se dedica a outros grupos de pessoas, e ainda por cima anseia em conhecer gente nova, cuidado!

2) Detalhes são pouco estimados. Todo casal tem uma música. O homem perdidamente apaixonado valoriza muito esse e outros detalhes. Mais até do que a mulher. Quando a tal música toca, eles dançam, se olham, riem, se beijam. Porém, quando um homem já não gosta mais tanto da moça, a música do casal deixa de ser estimada, mesmo que ainda possua certo valor para ele. Datas especiais não merecem mais comemorações especiais. A empolgação, que valoriza os pequenos detalhes do casal, acaba por parte do cara. Inclusive ele pode até passar a achar tudo muito chato. E se o valor do detalhe continua no coração dele, é somente devido ao passado vivido.

3) Ela não é mais o centro das atenções. Se o homem apaixonado dá toda a atenção à sua amada quando está em uma festa com ela, por exemplo, o desapegado não esquenta muito. Fica no meio de amigos, de parentes, e pode passar horas longe dela. Talvez justamente de propósito, para evitá-la um pouco e se distrair. Pode inclusive tratá-la com frieza perante outras pessoas. Outra coisa: ele já não telefona mais com a mesma frequência, já não a chama mais tanto para sair, já não fala mais com a mulher com o mesmo tom de voz entusiasmado de antes, etc. Chato, mas é verdade.

4) Ela ainda marca presença, mas não empolga. Esse tópico é para o caso em que a relação já terminou, e há paz entre os dois. Muitas mulheres baseiam suas esperanças de terem seus parceiros de volta no fatos de estes ainda serem especialmente carinhosos com ela. É o seguinte: ex é para sempre, mesmo que seja apenas ex-namorada. Nenhum homem olha para uma ex com os mesmos olhos que olha para qualquer outra mulher. A ex carrega o passado do cara com ela e trás a lembrança de momentos felizes. E há valor nisso. Portanto, é natural que ele te olhe e te trate com um pouco mais de carinho do que as demais. Mas não confunda, pois isso não significa que ele queira voltar. Você marca forte presença perante o cara, mas talvez não o empolgue mais.

5) Negações. Homem desapegado nega demais, reclama demais, debate demais. Homem apaixonado é bonzinho, sabe ser flexível, quer ver sua amada feliz. Pense nisso.

6) Sensação esquisita. Nos momentos íntimos, o homem em processo de desapego começa a achar algumas coisas esquisitas e a não se sentir muito bem. Não há mais a grandiosidade daqueles momentos. Ele passa a achar que tudo aquilo já não está tão bom, que não combina tanto, que tem alguma coisa esquisita ali. E então ele começa a perceber que um dia haverá um fim. E começa a querer isso, silenciosamente.

7) Defeitos vem à tona. Se o homem apaixonado acha a sua amada o ser mais perfeito que existe, o desapegado começa a ver os reais defeitos. É normal e recomendado que as pessoas percebam os defeitos das outras e aprendam a lidar com eles. Mas é aí que entra um detalhe. O homem que ama está disposto a lidar com os defeitos da mulher; o desapegado não. Ele se incomoda com isso, reclama, e tira a mulher do pedestal no qual ele a tinha posto anteriormente. Tira, e aos poucos se afasta.

8) Quanto ao ciúme. Em término recente de relação, é normal que o cara sinta ciúme da sua ex com outro. Mas isso, novamente, não significa que ele queira voltar. Homem é possessivo por natureza, apenas isso. Entretanto, como eu disse, isso é normal apenas quando a relação terminou há pouco tempo. Se o cara continua sentindo ciúme da sua ex com outro, mesmo depois de passado um bom tempo, talvez ele esteja menos desapegado do que imagina.

9) Com outra funciona! Talvez o sintoma mais explícito de um homem desapegado é quando ele consegue outra mulher e com ela acha tudo maravilhoso, esquecendo-se totalmente da outra. A nova consegue substituir a anterior inteiramente. Já era!

10) Sensação de finitude. Como foi escrito no sintoma 6, o cara desapegado já não vê mais (e até mesmo repudia) um futuro para a relação. Ele passa a achar que pode mais, que poderia estar melhor se estivesse com outra pessoa, ou mesmo sozinho, viajando, morando em outro lugar. Começa a ter aversão quanto à ideia de ter filhos, de casar, de morar junto (caso antes tivesse esses sonhos). Passa a falar coisas esquisitas, que remetem à finitude da relação; coisas do tipo "quando não estivermos mais juntos". Homem apaixonado é diferente; ele não quer que aquilo termine.


Consideração final: Nós, homens, às vezes somos mais complicados que as mulheres. Muitas vezes achamos que queremos, mas não queremos, apenas queremos querer. O que no fundo queremos, não queremos. Ou, o que no fundo não queremos, queremos. Entende? Pois é. E talvez essa confusão toda anule a validade de todos os sintomas acima. Somos menos práticos do que parecemos. Mas uma coisa é certa: homem que, de alguma forma ainda gosta, sempre procura novamente.

Obs: "desapegado" foi o melhor adjetivo que eu encontrei para o contrário de apaixonado, apesar de oficialmente ser o contrário de "apegado". Se alguém tiver uma palavra melhor, me avise, que eu mudo no texto.


5 comentários:

Clarice disse...

Também tive um texto assimilado pela rede, que virou pps e coisa e tal, mas ao contrário de você, fiquei furiosa.
Sobre as teorias a respeito de quem sente o que e quando e o que faz, só uma ressalva: é preciso um pouco de cuidado para não usar um exemplar ou poucos para estabelecer um padrão.
Teu texto revela tua visão e teu aprendizado, mas como dizia o cara aquele: há controvérsias!
Pessoa apaixonada e esquizofrênica retratam igualzinho na ressonância magnética. Isso ajuda a explicar? Depois que a "doença" passa, até os textos parecem meio esquisitos, é verdade. Mas isso é papo de quem perdeu a cabeça várias vezes e mesmo assim...
Abração.

Renan Mariano disse...

Nada como as palavras de alguém experiente. Obrigado, Clarice!

Diego Martins! disse...

Dizem que o "desapegado" pode ser substituído por "casado". Haha. Zoando!!!

Como dito, quando vive-se esses sintomas nada é tão óbvio quanto parece.

graciela disse...

nossa obrigado td que vc disse é o meu caso valeu!!!!!

Ana Carolina Martiniano disse...

Adorei