quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A amante

Jéssica desconfiava que Eduardo, seu marido, a traía. Primeiro, o rapaz começou a chegar mais tarde do que de costume em casa. Depois, passou a deixar a desejar na cama. E por último, quase sempre saía de perto da esposa para atender o telefone.

Numa dessas escapadinhas para falar ao telefone, Jéssica seguiu Eduardo discretamente até a varanda e, escondida atrás da parede, percebeu que ele cochichava palavras afetuosas com alguém. A partir daquele momento, a moça não teve mais dúvida: estava sendo chifrada.
Apesar de ser mulher e de se ver diante de uma situação dessas, Jéssica manteve-se fria. Não revelou sua presença na varanda naquele instante, tampouco o questionou sobre a pessoa com quem ele falava ao telefone. Saiu discreta, assim como chegou.

À noite, enquanto Eduardo dormia, Jéssica pegou o telefone do marido, verificou as últimas ligações e lá estava: Manoela! Certamente era ela! Pensou um pouco, e então resolveu arriscar enviando uma mensagem de texto e marcando um encontro para o dia seguinte, como se fosse o Eduardo. Jéssica recebeu a resposta de Manoela quase que imediatamente, confirmando o encontro.

- Desgraçados! – disse, cheia de ódio.

Jéssica mal conseguiu dormir naquela noite. Estava com nojo de Eduardo. Sua ideia era encontrar Manoela e dizer poucas e boas para a vagabunda. Quanto ao marido, pediria o divórcio depois de ouvir a confissão de Manoela, já que as amantes sempre acabam abrindo o jogo; diferente do homem, que tenta enrolar. E Jéssica não tinha paciência para ser enrolada.
Na manhã seguinte, quando seu marido foi trabalhar, despediu-se friamente dele. Pensou no que seria dito no encontro. Queria parecer superior e determinada para Manoela. Ensaiou. Não podia vacilar. Era seu orgulho em jogo.
Arrumou-se, chegou ao local marcado na hora marcada. Não havia muita gente ali, como havia suposto. E isso facilitava descobrir quem era a Manoela. Entre alguns idosos, crianças e cachorros, avistou uma mulher loira e esbelta sentada e com jeito de que estava esperando por alguém. Aproximou-se nervosa, porém firme.

- Manoela?
- Sim – respondeu a moça, desconfiada.

Calmamente, Jéssica sentou-se e prosseguiu:

- Eu sou a Jéssica, mulher do Eduardo, o cara casado com quem você tem saído.
- Peraí, como assim?
- Não se faça de sonsa! Eu já descobri tudo!
Durantes alguns segundos, Manoela olhou fixamente para Jéssica, sem dizer nada. E então continuou, decepcionada:

- O Eduardo é casado com você?
- Vai me dizer que não sabia?
- Na verdade não. Ele havia me dito que estava solteiro.

Nesse momento, Manoela olhou para baixo e lágrimas começaram a escorrer em seu seu rosto.

- Eu estou saindo com ele há pouco mais de 1 mês. Nos conhecemos numa reunião de trabalho. Ele estava sem aliança e…
- Sem aliança?
- Sim. E pareceu tão disponível, tem sido tão gentil, simpático. Não sei o que dizer…

As lágrimas de Manoela se transformaram em choro com soluço. Jéssica viu nos olhos da moça que ela estava sendo sincera. Não conteve também sua frustração, e começou a chorar junto com ela. Manoela percebia nos olhos de Jéssica a mesma sinceridade.
- Eu nunca quis causar problemas pra ninguém. Sou honesta, tenho meu trabalho, minha dignidade. Jamais me envolveria com um cara que eu soubesse ser casado.
- Eu acredito em você. Somos duas vítimas.
- Somos.

Naquele instante, Jéssica e Manoela, sem querer, ligaram-se uma a outra. Terminaram a conversa perdoadas. Jéssica pediu o divórcio e encontrou em Manoela o apoio que precisava naquele momento. Manoela encantou-se pela serenidade com que Jéssica encarava aquela situação. Sem perceber, tornaram-se grandes amigas.

Jéssica, já divorciada, reaprendeu a curtir a vida de solteira ao lado de Manoela. Saíam juntas com frequência. Eduardo passou a ser uma lembrança divertida para as duas.
Não demorou muito para que elas se declarassem indispensáveis na vida uma da outra. E depois, não demorou muito para que decidissem dividir um apartamento. Inicialmente, para amenizarem as despesas, mas no final das contas, por pura paixão. Tornaram-se amantes.

Nenhum comentário: